Já imaginou realizar pagamentos no comércio convencional só encostando seu celular em uma maquininha? Ou quem sabe, no e-commerce, apenas usando um aplicativo? Isso já é realidade através das e-wallets, as carteiras digitais. Elas permitem que você faça transações eletrônicas em ambientes digitais.

As carteiras digitais, ou e-wallets, usam a tecnologia Near Field Comnunication (NFC), que já é encontrada em vários dispositivos móveis, como smartphones, relógios e pulseiras, e permite que você pague suas contas apenas aproximando qualquer desses dispositivos a um terminal. A maioria dos serviços de e-wallets funcionam a partir de aplicativos em smartphones.

Porém, também é possível usar as e-wallets a partir de um Número de Identificação Pessoal (PIN) no smartphone. Independente da forma que seja utilizada, as e-wallets sempre usarão um software de criptografia, tornando as transações financeiras muito mais seguras, tanto para os comerciantes como para os clientes.

A primeira e-wallet, a Samsung Pay, chegou no Brasil em 2016. Por enquanto, ela é a única que possui duas modalidades de pagamento: NFC e MST, disponíveis apenas para aparelhos Samsung. Essa segunda tecnologia funciona através do sinal magnético, e você não precisa que o estabelecimento aceite a tecnologia NFC para comprar via smartphone.

O Google Pay também já chegou ao Brasil – em uma parceria pioneira com a Adyen – em fevereiro de 2018, mas também está disponível em outros países, como Reino Unido, Polônia, Austrália, Hong Kong e Singapura. Utilizando o maior sistema operacional para smartphones do mundo, o Android, o Google Pay tem um enorme potencial de vendas. Simples, ele permite realizar compras com um toque no celular, sem a necessidade de inserir repetidamente informações de pagamento ou endereço de entrega.

Porém, a Apple não ficou parada nesta disputa, e em abril de 2018 lançou no Brasil a Apple Pay, também em parceria com a Adyen. Essa e-wallet conta com 252 milhões de usuários no Brasil, EUA, Canadá, Austrália, Suíça, França e Reino Unido, entre outros. Segundo dados da Adyen, é a carteira que cresce mais rapidamente.

MAIOR SEGURANÇA E ACEITAÇÃO NO MERCADO

As carteiras digitais são um mecanismo fundamental para aprimorar a experiência dos clientes, que estão cada vez mais exigentes e escolhendo e-commerces que oferecem a experiência de compra mais descomplicada e a possibilidade de pagar da maneira que preferirem.

A Adyen afirma que o segredo por trás das transações seguras é a tokenização dos dados criptografados, que criam uma identidade digital do cartão no dispositivo usado para pagar, como o smartphone. Assim, o usuário só precisa inserir as senhas do cartão uma vez.

Segundo estudo realizado pela Adyen, quase 40% das transações locais e mais de 70% das globais são feitas via celular, e as e-wallets cresceram 65% no Brasil na plataforma da fintech nos primeiros três meses de 2019. Em 2018, 27,3% de todas as transações on-line no Brasil foram processadas em dispositivos móveis. No ano anterior, o m-commerce representava 21,5% e, em 2016, apenas 12% desse mercado. Foram 50 milhões de consumidores impactados somente no mercado brasileiro.

Em 2018, as transações realizadas via e-wallets representavam 8% do total – hoje essa taxa já é de 12%. Em 2017, foram processadas mais de um milhão de transações com a tecnologia. No primeiro trimestre de 2019, o uso de carteiras digitais aumentou 65% no país. Globalmente, o cenário também é promissor: a solução cresceu 40% nos meios digitais e 400% nas lojas físicas em 2018.

As e-wallets têm contribuído para a alta do e-commerce do Brasil, e tem previsão de movimentar o equivalente a US$ 23,7 bilhões até 2021. Se no Brasil o comércio eletrônico tem se consolidado gradualmente, no México e na Argentina a expectativa é que o setor seja incrementado, com previsão de crescimento de 17% e 24% nos próximos cinco anos, respectivamente.

A tokenização é uma tecnologia estratégica para qualquer e-commerce que queira criar uma experiência de compra ágil e prática para seu cliente. As transações podem ser realizadas em apenas um clique, conveniência que leva a mais compras e, consequentemente, há mais dados sobre o consumidor. Uma análise inteligente dessas informações permite ao comerciante criar ofertas personalizadas e programas de fidelidade, sugeridos no momento certo.

COMO QUEBRAR BARREIRAS

Segundo pesquisa realizada pelo Google, das 150 milhões de buscas todo mês sobre o setor financeiro no país, 4 milhões envolvem as carteiras digitais — o que representa um crescimento de 37% em um ano. Porém, ainda há uma confusão do consumidor em relação à carteira digital e seus benefícios, já que 61% dos usuários do Google não sabem dizer o que é a ferramenta. As principais dúvidas dos usuários são sobre como funciona a tecnologia, como retirar dinheiro e como realizar pagamentos com ela.

A mudança no hábito de pagamento e a falta de entendimento são as principais barreiras de adoção para aqueles que já conhecem as carteiras digitais, já que 32,4% dos usuários, mesmo sabendo o que é a ferramenta, nunca utilizaram ou baixaram aplicativos. Dessas pessoas, 12,3% têm a percepção de que falta segurança nas transações e outras 6,3% não usam porque a tecnologia depende do celular. Isso mostra que o grande desafio das empresas é a informação ao público, tanto em relação à segurança, quanto à forma de utilizar as carteiras digitais.

EMAILAGE

A evolução da tecnologia vem mudando a nossa relação com o dinheiro, e as e-wallets chegaram para revolucionar ainda mais os hábitos do consumidor brasileiro, trazendo agilidade e segurança aos pagamentos. Mas, infelizmente, nesse mundo on-line, os benefícios são acompanhados por ameaças cibernéticas.

Por isso, garanta o cadastro de seus clientes utilizando os serviços da Emailage.

Por meio de parcerias importantes, dados patenteados e tecnologia de Machine Learning, a Emailage analisa o perfil multidimensional associado a um endereço de e-mail e calcula um score preditivo de risco. Os clientes obtêm economias significativas a partir da identificação e interrupção de transações fraudulentas, e a avaliação de risco.