Com a proximidade da data mais importante do varejo brasileiro, lojistas já se preparam para receber milhões de consumidores em busca dos presentes de Natal. Apesar da lenta recuperação da economia, a tendência é que a tradição desta data reafirme sua importância para o comércio.

Em 2018, o e-commerce brasileiro faturou R$ 9,9 bilhões no período do Natal. Segundo levantamento da Ebit|Nielsen, isso representa um crescimento nominal de 13,5% na comparação com 2017. O número de pedidos cresceu/expandiu 5,2%, atingindo 20,1 milhões. Já o tíquete médio subiu 8%, de R$ 457 para R$ 493.

Esse período de vendas é impulsionado pelo crescimento da Black Friday, data em que os consumidores já começam a planejar e fazer suas compras de presentes e coisas pessoais para as festas de fim de ano.

Se em 2018 o crescimento do e-commerce brasileiro foi impulsionado pelos novos e-consumidores, em 2019 esse mérito será dividido com os lojistas. Analistas indicam um maior preparo das lojas virtuais como grande atração para as compras on-line.  Para Ana Szasz, diretora comercial da Ebit|Nielsen, “o varejo está cada vez mais preparado para as vendas on-line. Os players estão investindo em tecnologia, tornando seus sites mais rápidos e melhorando a usabilidade. Além disso, estão disponibilizando maior quantidade de informações sobre os produtos e, quanto mais referências o consumidor tiver para pesquisar, mais ele se identifica e efetiva a compra”.

No entanto, alguns desafios ainda persistem. Com a popularização da compra on-line, fatores como a ampliação dos CEPs de entrega no território nacional e o pós-venda ainda é preocupação para alguns lojistas.

LOJISTAS DEVEM CONTINUAR DE OLHO NAS TENDÊNCIAS DO E-COMMERCE

O aumento das compras via mobile e a ascensão da Inteligência Artificial vão continuar impactando o segmento. E tem mais:

– os consumidores estão cada vez mais conscientes, e isso influenciará fortemente no comportamento de compra;

– o m-commerce tende a ficar muito mais rápido e fluido à medida que os aplicativos facilitam a compra via mobile;

– a possibilidade de comprar diretamente das plataformas das mídias sociais aumenta os canais de venda;

– loja física e loja on-line devem estar cada vez mais integradas;

– os assistentes virtuais de atendimento (chatbots) ganharão cada vez mais espaço;

– a entrega rápida é bastante valorizada pelo consumidor. Portanto, a modalidade da entrega expressa deve ganhar destaque nas opções das lojas virtuais;

– a Inteligência Artificial (AI) está ajudando cada vez mais a criar melhores conteúdos e experiências, aprimorando o marketing digital. Com o uso da AI, é possível avaliar o perfil do consumidor e criar ofertas segmentadas, tornando as campanhas cada vez mais assertivas, e, consequentemente, aumentar a conversão. 

O PERFIL DO CONSUMIDOR E ITENS MAIS PROCURADOS

Uma pesquisa do SPC Brasil traçou a intenção de compra do consumidor para o Natal de 2018, números que devem se repetir na data deste ano. O estudo apontou cerca de 101 milhões de pessoas indo às compras, movimentando R$ 53,5 bilhões em vendas. A pesquisa também indicou 85,4% dos consumidores dispostos a buscar mais ofertas para economizar, sendo 66,8% através de sites e aplicativos de lojas, 49% em lojas de rua, 46,6% em lojas de shopping e 38,1% em aplicativos de ofertas. O estudo apontou 54% dos entrevistados adquirindo presentes pela internet, sendo 74,8% desses consumidores comprando pelo menos a metade dos presentes nesse canal. Os sites e aplicativos mais mencionados para as compras foram os sites de varejo nacional (75,3%), com aumento entre a Classe A/B (85,6%).

De acordo com a Ebit|Nielsen, no Natal de 2018 as categorias de produtos mais compradas no e-commerce foram eletrodomésticos (14,4%), perfumaria e cosméticos (10,4%), moda e acessórios (10,1%) casa e decoração (9,8%) e telefonia e celulares (7,6%). Quanto ao share de faturamento, tiveram destaque os eletrodomésticos (24,4%), telefonia e celulares (19,4%) e casa e decoração (9,1%).

Esses dados reforçam a crescente força dos canais de venda pela internet. Cada vez mais pessoas aderem a esses mecanismos de compra devido a praticidade, a facilidade de comparar preços e a grande diversidade de produtos. 

AS FRAUDES

Esse período que movimenta tamanho fluxo de dinheiro traz um alerta: quanto maior o número de pedidos, maiores serão as tentativas de fraudes, consequentemente, maior o risco para os lojistas desprotegidos. Os cibercriminosos se aproveitam da onda do bom velhinho e aplicam velhos e novos golpes. De acordo com o Raio-X da Konduto, no Brasil ocorre uma tentativa de fraude a cada 6,5 segundos, o que equivalente a 1 para cada 45 compras. Isso corresponde a 2,20% de todos os pedidos efetuados. Comprar via internet é prático e cômodo, mas ainda requer cuidados dos consumidores e comerciantes.

Uma pesquisa da Serasa Experian mostra que em 2018 72% dos negócios on-line no Brasil tiveram prejuízos devido ao avanço das fraudes digitais. “A interação à distância é uma realidade para os negócios digitais, o que faz com que as empresas tenham que se adaptar para oferecer um ambiente seguro, capaz de eliminar riscos de fraudes e usar as informações pessoais de clientes de forma transparente e inteligente para entregar experiências on-line relevantes”, afirma Eduardo Castro, diretor de Decision Analytics da Serasa Experian.

DICAS PARA SE PROTEGER

O consumidor deve ficar atento aos perigos do mundo digital. A maioria dos golpes seguem padrões que podem ser percebidos pelo consumidor. Reparar nos detalhes das mensagens por e-mail, WhatsApp e redes sociais, e sempre desconfiar de promoções exageradas fora dos padrões do mercado. Ao lojista, surge a necessidade de contar com a solução certa que auxilie na identificação do bom cliente e do mal intencionado, ou seja, investir em tecnologia que seja capaz de impedir a ação dos fraudadores.

NÃO ESPERE O NATAL CHEGAR, CONTE COM A EMAILAGE DESDE JÁ!

A fraude está sempre evoluindo, por isso é preciso manter-se atualizado para combatê-la. Uma medida efetiva é contratar uma ferramenta com tecnologia para analisar os riscos das transações do seu comércio eletrônico em tempo real. Através da análise de risco é possível avaliar o comportamento do cliente no ato da compra.

Conte com a Emailage! Apenas em 2018, prevenimos aproximadamente 2,8 bilhões de dólares em fraudes, usando tecnologia de Inteligência Artificial combinada com sinais positivos e negativos do nosso banco de dados. Por meio de parcerias importantes, dados patenteados e tecnologia de Machine Learning, analisamos um perfil multidimensional associado a um endereço de e-mail que calcula um score preditivo de risco de fraude. Os clientes obtêm economias significativas a partir da identificação e interrupção de transações fraudulentas, e a avaliação de risco por e-mail ajuda a agilizar as aprovações sem atrito com o cliente, melhorando a experiência do consumidor.